Planeta Terra Versão 2.0

A certeza absoluta é um privilégio das mentes não-educadas e dos fanáticos

Cassius Keyser (1862 ~ 1947)

Pub

Doações

Saldo Acumulado: 0 EUR

Só é possível continuar a fazer este trabalho graças à sua generosidade.

Se considera que a informação aqui disponibilizada tem relevância para si e pretende fazer uma doação, por favor faça uma que esteja dentro das suas possibilidades financeiras.

Saiba como

Últimos Artigos

Globo
Portugal
Dinheiro
Ciência e Tecnologia
Conflitos Mundiais
Big Brother
Tirania
Fenómenos
Pub

Repressão Policial na Cimeira dos G20

ArtigoVideos (7)Comentários (0)
O grupo anarquista não encontrou qualquer desafio nos seus actos de vandalismo.

Um dispositivo policial nos quais foram gastos cerca de mil milhões de euros dos contribuintes do Canadá, não impediu os múltiplos actos de vandalismo do Black Bloc, mas em contrapartida não se inibiu de agredir violentamente manifestantes pacíficos e jornalistas.

Um grupo vestido de preto e cara tapada denominados Black Bloc não se viu impedido pela polícia para destruir montras, incendiar carros da polícia ou atacar repórteres à vontade, à medida que desfilavam pelas várias ruas que se ligavam com o local os líderes dos G20 se reuniam.

Talvez isso se deva ao facto de na verdade os anarquistas Black Bloc estarem na realidade infliltrados por polícias, como foi admitido em 2007 pela própria polícia do Quebec, e novamente detectados pelos manifestantes em 2009 na Cimeira dos G20. (consulte a galeria de vídeos deste artigo)

Porém os manifestantes pacíficos e repórteres passaram ambos por tristes episódios de repressão policial.

A agência noticiosa "The Canadian Press" testemunhou que «um fotojornalista foi alvejado nas costas por uma bala de plástico, enquanto um outro se deparava com um agente a apontar-lhe uma arma à cara, apesar do jornalista se identificar como tal».

Através de mensagens enviadas para o twitter, o respeitado jornalista Steve Paikin da "TV Ontario" faz um relato sobre o que assistiu:

«Hoje à noite, eu vi brutalidade policial. Era desnecessário. Eles pediram-me para sair do local ou prendiam-me. Eu disse-lhes que estava a fazer o meu trabalho.»

«Eles repetiram que me prendiam seu eu não saísse [dali]. À medida que eu era escoltado para fora da manifestação, vi dois polícias a segurarem um jornalista.»

«O jornalista identificou-se como trabalhador do The Guardian. Ele falou demasiado e chateou a polícia. Dois polícias seguraram-no...»

«Um terceiro socou-o no estômago. Totalmente desnecessário. O homem caíu. Depois o terceiro acotevelou-o nas costas.»

«Nenhuma câmara gravou a agressão. E foi uma agressão.»

«O polícia que me estava escoltar para fora da manif disse: "Ya, aquilo não devia ter acontecido." Ele está correcto. Não havia motivo para o sucedido.»

Steve Paikin, reportou ainda que numa área densamente povoada de um bairro, a polícia subitamente dirigiu-se para a multidão de manifestantes pacíficos de "classe-média" e começou a prendê-los. «A polícia de um lado gritava para a multidão ir por um caminho. Depois a polícia do outro lado dizia-lhes para sairem por outro. Não havia saída.», relatava Steve pelo twitter.

Ele enfatiza nas suas mensagens que os manifestantes eram pacíficos e não existiam ali anarquistas e que era necessário fazer uma distinção entre aqueles que vandalizaram montras e incendiaram carros, e aqueles que «apenas queriam recordar às autoridades que a liberdade de se reunirem e falarem não devia desparacer porque os líderes mundiais estão na cidade.»

Desapontado com as situações que testemunhou pela primeira vez em Toronto, onde vive à 32 anos, condena os vândalos, bem como aqueles que ordenaram a detenção e o ataque dos manifestantes pacíficos.

A polícia recebeu poderes extraordinários especificamente para esta cimeira que expiraram no dia 28, um dia depois do fim da Cimeira, para deter indiscriminadamente quem se aproximasse da zona de segurança, recusasse a identificar-se ou a ser revistado.

Para além dos incidentes descritos pelos jornalistas, várias pessoas publicaram no Youtube diversos vídeos que mostram manifestantes a serem levados à força por carrinhas anónimas à semelhança do que se sucedeu no ano passado quando a polícia militar arrebatou um manifestante em São Petersburgo. (consulte a galeria de vídeos deste artigo)

Apesar de não se saber exactamente para onde é que foram levados os manifestantes, presume-se que tenham sido detidos num antigo estúdio de gravação usado como um prisão temporária, a cerca de 5Kms do Centro de Convenções de Toronto.

Tanto nos Estados Unidos como no Canadá, a mensagem é clara: Liberdade de expressão, não!

Reportar Erro

Caso tenha detectado algum tipo erro por favor descreva-o.