Planeta Terra Versão 2.0

O desafio para os governos ocidentais no futuro, é manter os cidadãos presos no consumismo materialista, impedindo-os de perceber quem é que eles realmente são.

Zbigniew Brzezinski

Pub

Doações

Saldo Acumulado: 0 EUR

Só é possível continuar a fazer este trabalho graças à sua generosidade.

Se considera que a informação aqui disponibilizada tem relevância para si e pretende fazer uma doação, por favor faça uma que esteja dentro das suas possibilidades financeiras.

Saiba como

Últimos Artigos

Globo
Portugal
Dinheiro
Ciência e Tecnologia
Conflitos Mundiais
Big Brother
Tirania
Fenómenos
Pub

Comandantes da PSP acusados de pressionar agentes a passar multas

ArtigoComentários (0)

O secretário da Comissão Coordenadora Permanente dos Sindicatos e Associações dos Profissionais das Forças e Serviços de Segurança (CCP) acusou alguns comandantes de pressionarem polícias a passarem multas durante a semana de «indignação», disse hoje à Lusa Paulo Rodrigues.

O representante associativo afirmou hoje em declarações à agência Lusa que «alguns comandantes pressionam os agentes a passarem multas».

As indicações dos responsáveis policiais surgem durante a «Semana da Indignação dos Polícias», que termina na quarta-feira, apesar de as associações sindicais terem sensibilizado os «agentes para passar menos multas e utilizarem meios legais para faltarem ao trabalho, como folgas e férias», disse.

Paulo Rodrigues adiantou existir a «tentativa de tornear a situação, por parte de alguns oficiais, não todos, como exemplo o comandante [da PSP] de Portalegre», que «pressiona os agentes a passarem coimas e quer saber quantas multas foram passadas», revelou Paulo Rodrigues.

A Lusa tentou contactar o comando de Portalegre mas até ao momento não obteve resposta.

De acordo com secretário nacional, a «Semana da Indignação dos Polícias» é um protesto contra o «incumprimento do Governo às tabelas salariais dos agentes, conforme a lei aprovada pelo anterior Governo», o que «cria desmotivação e instabilidade no seio da instituição».

A lei das remunerações da polícia foi também tema de declarações do ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, acusando o anterior Governo de «leviandade» e alegando que a aplicação do sistema remuneratório teria um impacto financeiro adicional para o Estado de 68,7 milhões de euros em dois anos.

A agência Lusa contactou o ex-ministro da Administração Interna, Rui Pereira, para comentar as declarações de Miguel Macedo, mas aquele respondeu «não querer fazer qualquer comentário sobre qualquer assunto».

Rótulos deste artigo

Reportar Erro

Caso tenha detectado algum tipo erro por favor descreva-o.