Planeta Terra Versão 2.0

Ninguém é mais escravo do que aquele que falsamente se acredita livre.

Johann Wolfgang Goethe (1749 ~ 1832)

Pub

Doações

Saldo Acumulado: 0 EUR

Só é possível continuar a fazer este trabalho graças à sua generosidade.

Se considera que a informação aqui disponibilizada tem relevância para si e pretende fazer uma doação, por favor faça uma que esteja dentro das suas possibilidades financeiras.

Saiba como

Últimos Artigos

Globo
Portugal
Dinheiro
Ciência e Tecnologia
Conflitos Mundiais
Big Brother
Tirania
Fenómenos
Pub

Ahmadinejad pede intervenção do Conselho de Segurança da ONU nos motins no Reino Unido

ArtigoComentários (0)

"O comportamento selvagem da polícia britânica é inaceitável", declarou Ahmadinejad à saída do conselho de ministros.

O Presidente iraniano, Mahmud Ahmadinejad, condenou hoje o comportamento selvagem da polícia britânica nos motins que abalam o Reino Unido há quatro dias e pediu ao Conselho de Segurança da ONU para intervir, informou a televisão estatal.

"O comportamento selvagem da polícia britânica é inaceitável", declarou Ahmadinejad à saída do conselho de ministros, de acordo com o "site" da televisão, citado pela agência noticiosa francesa AFP.

"Em vez de terem tal comportamento, os líderes britânicos fariam melhor em ficar ao lado da população(...) e escutá-la. Em vez de enviarem tropas para o Iraque, Afeganistão, Síria para saquear o petróleo, fariam melhor se pensassem na sua população", adiantou. Para o Presidente iraniano, "uma parte da população britânica perdeu a paciência (...) e não tem qualquer esperança no futuro".

Ahmadinejad criticou ainda "o silêncio" das Nações Unidas.

"Se um centésimo destes crimes tivesse sido cometido num país hostil ao Ocidente, as Nações Unidas e as organizações que dizem defender os direitos humanos teriam gritado (...) É um teste ao Conselho de Segurança, para ver se ele se atreve a condenar um dos membros permanentes", afirmou.

A polícia britânica interpelou 770 pessoas durante as quatro noites de motins, inicialmente em Londres e depois noutras grandes cidades inglesas, segundo o último balanço divulgado hoje pelas forças de segurança.

Reportar Erro

Caso tenha detectado algum tipo erro por favor descreva-o.