Planeta Terra Versão 2.0

Sê quem és e diz o que sentes, porque aqueles que se importam não interessam e aqueles interessam não se importam.

Theodor Seuss Geisel (1904 ~ 1991)

Pub

Doações

Saldo Acumulado: 0 EUR

Só é possível continuar a fazer este trabalho graças à sua generosidade.

Se considera que a informação aqui disponibilizada tem relevância para si e pretende fazer uma doação, por favor faça uma que esteja dentro das suas possibilidades financeiras.

Saiba como

Últimos Artigos

Globo
Portugal
Dinheiro
Ciência e Tecnologia
Conflitos Mundiais
Big Brother
Tirania
Fenómenos
Pub

Redacção do Charlie Hebdo destruída com bomba incendiária

ArtigoComentários (0)
Luz, o autor do desenho, mostra a capa do Charlie Hedbo com o profeta Maomé.

Foto: Reuters

O semanário satírico francês Charlie Hebdo foi esta madrugada alvo de um ataque com uma bomba incendiária, que destruiu por completo a redacção da publicação, em Paris, um dia depois de o jornal ter anunciado que o profeta Maomé seria o “director” da próxima edição.

Falando em "atentado", o ministro francês do Interior, Claude Guéant, avaliou que na investigação a este incidente "não devem ser negligenciadas" as pistas de muçulmanos integristas.

“Já não temos um jornal. Todo o nosso equipamento ficou destruído”, lamentou o director do semanário – um dos jornais que publicou as polémicas caricaturas de Maomé que causaram em 2007 uma vaga de violência no mundo árabe, sendo proibida no Islão qualquer espécie de representação visual do profeta.

Uma testemunha ouvida pela agência noticiosa francesa AFP descreve que foi atirado um cocktail molotov contra uma das janelas do Charlie Hebdo, que incendiou todos os computadores. “Está tudo queimado, não resta nada”, disse.

A edição online do semanário foi igualmente alvo de um ataque informático durante a noite, com a página de acolhimento a ser substituida por uma fotografia da mesquita de Meca, em plena peregrinação, com as palavras, em inglês e turco "não há outro Deus que não Alá".

O Charlie Hebdo anunciara na véspera em paródia que no número seguinte (o desta semana, hoje nas bancas) o jornal seria chefiado por Maomé para “celebrar” a vitória do partido islamista Ennahda nas eleições legislativas na Tunísia na semana passada. Na capa tem uma caricatura do profeta do Islão e o dito jocoso “100 chicotadas se não morrerem a rir” e o título da publicação como Charia Hebdo, num trocadilho com a palavra islâmica sharia (lei do Islão).

Rótulos deste artigo

Reportar Erro

Caso tenha detectado algum tipo erro por favor descreva-o.