Planeta Terra Versão 2.0

Primeiro vieram buscar os judeus e eu não protestei porque não era judeu.
Depois vieram buscar os comunistas e eu não protestei porque não era comunista.
Depois vieram buscar os sindicalistas e eu protestei porque não era sindicalista.
Depois vieram buscar-me e não restava mais ninguém para protestar por mim.

Martin Niemöller (1892 ~ 1984)

Pub

Doações

Saldo Acumulado: 0 EUR

Só é possível continuar a fazer este trabalho graças à sua generosidade.

Se considera que a informação aqui disponibilizada tem relevância para si e pretende fazer uma doação, por favor faça uma que esteja dentro das suas possibilidades financeiras.

Saiba como

Últimos Artigos

Globo
Portugal
Dinheiro
Ciência e Tecnologia
Conflitos Mundiais
Big Brother
Tirania
Fenómenos
Pub

Cientista islandês diz que Eurocontrol "exagerou" o perigo das cinzas do vulcão

ArtigoComentários (0)

O Eurocontrol e outras instituições de regulação do tráfego aéreo na Europa "exageraram os riscos das cinzas vulcânicas" em 2010 e o mesmo está a repetir-se agora, afirmou um cientista islandês.

Jónas Elíasson, um investigador da Universidade da Islândia envolvido num projecto de medição e de prevenção dos riscos das cinzas vulcânicas, afirma que o encerramento de dois dias dos principais aeroportos do país, esta semana, "foi desnecessário".

Dois aeroportos islandeses, incluindo o da capital Reiquejavique, foram encerrados durante cerca de 36 horas, reabrindo no final de segunda-feira, devido à erupção do vulcão Grimsvoetn.

"Foi mais um dia de céu limpo e de aeroportos fechados", resumiu Jónas Elíasson, entrevistado pela Lusa por telefone, a partir de Paris.

"Os dois aeroportos não deviam ter fechado nem no domingo nem na segunda-feira", acrescentou Elíasson.

O cientista faz parte da equipa que, em terra, recebe e analisa os dados da medição das cinzas. Desta vez, "é uma erupção basáltica e o granulado não é tão fino mas a coluna de cinzas parece ser mais alta do que a do Eyjafjallajökull", afirmou o especialista.

A medição é efectuada por aparelhos sofisticados a bordo de um pequeno avião Cessna, num projecto desenvolvido em conjunto com a Universidade da Islândia e a Universidade de Ciências Aplicadas de Dusseldorf, na Alemanha.

Leituras detalhadas da qualidade das cinzas do vulcão Eyjafjallajökull, nos dias cruciais de final de Abril de 2010, feitas pela mesma equipa usando meios aéreos ligeiros, "mostram que não havia risco para o tráfego aéreo" quando os centros reguladores determinaram o encerramento do espaço aéreo.

"A má sorte da Islândia é depender do VAAC (Centro de Controlo de Cinzas Vulcânicas) de Londres, que determina os seus alertas apenas pela altura da coluna de cinzas e pela evolução ditada segundo modelos de computador usados em meteorologia", queixou-se Jónas Elíasson.

Existem nove VAAC em todo o mundo, com áreas territoriais de competência, que avisam as autoridades de aviação sobre a presença e o movimento de nuvens de cinzas vulcânicas.

O VAAC de Londres é responsável pelas Ilhas Britânicas e pela Islândia. Toda a Europa continental, África e a Ásia Central e do Sul pertencem à área seguida pelo VAAC de Toulouse (França).

"Com a altura das cinzas e os modelos de meteorologia, julgam no VAAC que têm a análise correta da situação. Mas não têm e recusam-se a adaptar esse modelo a uma verificação directa, científica, do fenómeno", acrescenta o especialista islandês.

Num estudo recente, Jónas Elíasson defendeu que a vigilância das nuvens de cinzas poderia ser feita através de meios aéreos "ligeiros e eficazes, manobrados por tripulações que podem ser treinadas na Islândia".

Os reguladores aéreos poderiam, nesse caso, contar com informação "real em tempo real, confrontando os valores dos seus modelos de computador", frisou o cientista.

"Evitar-se-ia a repetição de erros de avaliação, como o que está a acontecer de novo", acrescentou.

O cientista islandês cita a Comissão Europeia sobre o prejuízo de cinco mil milhões de euros causados pelo caos no tráfego aéreo no continente, com milhares de voos cancelados.

"O sistema que propomos, e que os reguladores se recusam a financiar, custaria 100 mil dólares por ano. Não é nada", conclui o cientista.

Na sequência do Eyjafjallajökull, Jónas Elíasson avaliou os riscos de uma nova erupção na Islândia antes de 2015 em 35 por cento. O acordar do Grimsvoetn não o surpreende.

"Nunca se sabe como vivem estes vulcões. Pode parar amanhã ou continuar", concluiu Jónas Elíasson.

Reportar Erro

Caso tenha detectado algum tipo erro por favor descreva-o.