Planeta Terra Versão 2.0

O homem não pode descobrir novos oceanos a menos que tenha a coragem de perder de vista a costa.

André Gide (1869 ~ 1951)

Pub

Doações

Saldo Acumulado: 0 EUR

Só é possível continuar a fazer este trabalho graças à sua generosidade.

Se considera que a informação aqui disponibilizada tem relevância para si e pretende fazer uma doação, por favor faça uma que esteja dentro das suas possibilidades financeiras.

Saiba como

Últimos Artigos

Globo
Portugal
Dinheiro
Ciência e Tecnologia
Conflitos Mundiais
Big Brother
Tirania
Fenómenos
Pub

Lagarde avisa sobre as 'consequências devastadoras' de incumprimento por parte dos EUA

ArtigoComentários (0)

A directora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, alertou hoje para as «consequências devastadoras» de um eventual incumprimento dos Estados Unidos da América face aos compromissos com os seus credores sobre a economia norte-americana e mundial.

Numa entrevista concedida ao programa "This Week" da cadeia de televisão ABC, Lagarde, que assumiu funções na terça-feira, elogiou também o seu antecessor, Dominique Strauss-Kahn pelo «excelente trabalho» à frente do FMI.

«Se estivermos perante um cenário de incumprimento, teremos, evidentemente, subida das taxas de juros, quedas enormes nas bolsas e consequências verdadeiramente devastadoras, não só para os EUA, mas para toda a economia mundial», afirmou Lagarde, acrescentando que não imagina esta probabilidade «nem por um segundo».

Os EUA encontram-se actualmente num impasse político, pois democratas e republicanos não se entendem quanto à possibilidade de aumentar o limite da dívida pública do país, que foi atingido em meados de Maio.

O Tesouro norte-americano tem insistido que até 2 de Agosto terá esgotado todos os recursos para evitar que os compromissos com os detentores de obrigações norte-americanas não sejam honrados.

Alguns economistas estimam que o Tesouro ainda teria meios para controlar a situação após esta data, mas Lagarde partilha dos receios do governo norte-americano.

A responsável do FMI considerou que se as negociações não forem bem sucedidas até essa data, seria «um verdadeiro choque» e «uma má notícia» para as economias.

Questionada sobre Strauss-Kahn, que abandonou o cargo depois de ter sido acusado de violação, Lagarde afirmou que o seu compatriota fez um «excelente trabalho».

No entanto, admitiu que quando uma instituição perde o seu director-geral desta maneira «isso deixa marcas».

«Algumas pessoas sentiram-se muito atingidas, outras sentiram-se traídas. É uma alquimia estranha, feita de frustração, irritação, por vezes cólera e por vezes de uma tristeza muito forte», declarou.

Reportar Erro

Caso tenha detectado algum tipo erro por favor descreva-o.