Planeta Terra Versão 2.0

Que sorte para os governos que as pessoas que eles administram não pensam.

Adolf Hitler (1889 ~ 1945)

Pub

Doações

Saldo Acumulado: 0 EUR

Só é possível continuar a fazer este trabalho graças à sua generosidade.

Se considera que a informação aqui disponibilizada tem relevância para si e pretende fazer uma doação, por favor faça uma que esteja dentro das suas possibilidades financeiras.

Saiba como

Últimos Artigos

Globo
Portugal
Dinheiro
Ciência e Tecnologia
Conflitos Mundiais
Big Brother
Tirania
Fenómenos
Pub

Economia mundial entrou numa 'fase nova e perigosa'

ArtigoComentários (0)

A economia mundial entrou numa «fase nova e perigosa» e os países da zona do euro têm de reagir rapidamente, disse hoje o presidente do Banco Mundial, Robert Zoellick.

«Estamos no início de uma tempestade nova e diferente, esta não é a mesma crise de 2008 (...) Nas últimas duas semanas, passamos de uma recuperação difícil - com um bom crescimento nos países emergentes e em alguns países como a Austrália, mas muito mais hesitante em países mais desenvolvidos – para uma fase nova e mais perigosa», disse Zoellick, numa entrevista publicada no sábado pela revista semanal The Weekend Australian.

Segundo o responsável, a crise na zona euro «pode ser o maior desafio» para a economia global, que exorta os países europeus a tomarem medidas o mais rapidamente possível.

«A lição de 2008 é que quanto mais esperarmos, mais rigorosas são as medidas», considerou.

Segundo o responsável, apesar de a maioria dos países desenvolvidos já ter usado todas as políticas fiscais e monetárias de modo «tão flexível quanto possível», tal revelou-se insuficiente, pelo que Zoellick sugere que deveria ser adoptado um regime mais rigoroso.

O presidente do Banco Mundial incentivou o primeiro-ministro britânico, David Cameron, a manter, apesar dos motins, as medidas de austeridade anunciadas nos últimos meses, já que são «realmente necessárias».

Zoellick sublinhou ainda que estão em andamento as mudanças no equilíbrio do mundo.

O poder e influência estão a mudar «muito rapidamente» para as economias emergentes, num movimento liderado pela China, disse o presidente do Banco Mundial, observando, no entanto, que Pequim é «um actor reticente» do sistema global.

Reportar Erro

Caso tenha detectado algum tipo erro por favor descreva-o.