Planeta Terra Versão 2.0

Uma injustiça em qualquer parte é uma ameaça em todo a parte.

Martin Luther King (1929 ~ 1968)

Pub

Doações

Saldo Acumulado: 0 EUR

Só é possível continuar a fazer este trabalho graças à sua generosidade.

Se considera que a informação aqui disponibilizada tem relevância para si e pretende fazer uma doação, por favor faça uma que esteja dentro das suas possibilidades financeiras.

Saiba como

Últimos Artigos

Globo
Portugal
Dinheiro
Ciência e Tecnologia
Conflitos Mundiais
Big Brother
Tirania
Fenómenos
Pub

Dívida europeia faz primeira falência nos EUA

ArtigoComentários (0)

A empresa de investimento MF Global, cujo presidente é o ex-governador de Nova Jersey, anunciou hoje a falência devido à crise da dívida na zona euro, refere a agência de notícias espanhola EFE.

A MF Global, que tem como principais credores os bancos JP Morgan e Deutsche Bank, iniciou os trâmites para pedir protecção de credores, segundo o capítulo 11 da lei das falências do Estados Unidos, no Tribunal Federal de Nova Iorque.

Segundo os documentos apresentados em tribunal, o principal credor da MF Global é o banco americano JP Morgan, do qual reclama 1,2 mil milhões de dólares (860 milhões de euros) em nome dos seus clientes portadores de títulos. O segundo maior credor é o banco alemão Deutsche Bank, com um pedido similar de 690 milhões de dólares (494,3 milhões de euros).

Após a abertura da Bolsa de Nova Iorque, as cotações da MF Global foram suspensas devido à queda abrupta das acções, depois de diversas notícias revelarem que a casa de investimento iria declarar falência devido à crise da dívida soberana europeia.

As acções da empresa fecharam na sexta-feira com uma queda de 16,08 por cento, depois da agência de 'rating' Moody's ter baixado a sua classificação. Desde o início do ano, os títulos da MF Global estavam a desvalorizar cerca de 85 por cento.

A MF Global iniciou no passado fim-de-semana uma ronda de negociações para ser adquirida pela Interactive Brokers Group, mas, como não houve acordo, foi obrigada a declarar bancarrota, revelou hoje o jornal The Wall Street Journal, que cita fontes próximas da empresa.

O diário adiantou que a casa de investimento se encontrava em sérias dificuldades financeiras após ter realizado investimentos de cerca de 6 mil milhões de dólares na dívida soberana europeia.

Reportar Erro

Caso tenha detectado algum tipo erro por favor descreva-o.