Planeta Terra Versão 2.0

Ninguém é mais escravo do que aquele que falsamente se acredita livre.

Johann Wolfgang Goethe (1749 ~ 1832)

Pub

Doações

Saldo Acumulado: 0 EUR

Só é possível continuar a fazer este trabalho graças à sua generosidade.

Se considera que a informação aqui disponibilizada tem relevância para si e pretende fazer uma doação, por favor faça uma que esteja dentro das suas possibilidades financeiras.

Saiba como

Últimos Artigos

Globo
Portugal
Dinheiro
Ciência e Tecnologia
Conflitos Mundiais
Big Brother
Tirania
Fenómenos
Pub

Goldman Sachs: Europa e EUA com 40% de probabilidade de longo período de estagnação

ArtigoComentários (0)

De acordo com os analistas do Goldman Sachs, a Europa e os Estados Unidos enfrentam 40% de probabilidade de viverem um longo período de estagnação económica, caso os líderes políticos não consigam recuperar a confiança dos cidadãos.

Os Estados Unidos e a Europa têm cerca de 40% de probabilidade de enfrentarem um longo período de estagnação económica, se os líderes políticos falharem na recuperação da confiança dos consumidores.

“A perspectiva de um longo período de estagnação do crescimento económico é um risco plausível e uma preocupação legítima para as principais economias desenvolvidas”, disse José Ursua, economista do Goldman Sachs, citado pela Bloomberg.

“Estes países apenas conseguirão gerir a situação e evitar uma ‘grande estagnação’ através de um impulso na recuperação, e isso estará dependente da capacidade dos líderes políticos em reconstruírem a confiança dos cidadãos e colocarem em marcha reformas que possam impulsionar, de forma decisiva, o crescimento”, explicou o economista.

Os Estados Unidos e a Europa estão actualmente a exibir sinais típicos de estagnação, caracterizados por um desemprego “alto e vicioso”, uma taxa média de crescimento de 0,5% no PIB per capita, e mercados accionistas em mínimos históricos, referiu Ursua.

As economias enfrentam uma probabilidade maior de períodos de estagnação após “crashs” nos mercados bolsistas, “precisamente do tipo observado durante 2008 e 2009”, desenvolveu o economista.

As restrições nas políticas monetárias hoje são “mais apertadas” que em 2008 para as economias desenvolvidas, para evitarem longos períodos de crescimento interrompido, e os bancos centrais poderão começar a considerar politicas “verdadeiramente não convencionais” como resultado disso, continuou Ursua.

“A má notícia é que continua a estar longe de ser claro se já foi feito o suficiente para impulsionar o crescimento económico e sair da zona de risco de uma prolongada estagnação é económica”, concluiu Ursua.

Reportar Erro

Caso tenha detectado algum tipo erro por favor descreva-o.