Planeta Terra Versão 2.0

Não há Esquerda ou Direita - há apenas liberdade ou tirania. Tudo o resto é uma ilusão, uma ofuscação para mantê-lo confuso e em silêncio à medida que o mundo arde à sua volta.

Philip Brennan

Pub

Doações

Saldo Acumulado: 0 EUR

Só é possível continuar a fazer este trabalho graças à sua generosidade.

Se considera que a informação aqui disponibilizada tem relevância para si e pretende fazer uma doação, por favor faça uma que esteja dentro das suas possibilidades financeiras.

Saiba como

Últimos Artigos

Globo
Portugal
Dinheiro
Ciência e Tecnologia
Conflitos Mundiais
Big Brother
Tirania
Fenómenos
Pub

Agência de rating ataca refinanciamento voluntário da dívida grega

ArtigoComentários (0)
Agência não admite qualquer reestruturação da dívida.

Standard & Poor's adverte que considera o plano de refinanciamento da dívida grega pelos bancos franceses como um equivalente à suspensão de pagamentos.

A agência de notação financeira Standard & Poor's advertiu que vai considerar o plano de refinanciamento da dívida grega avançado pelos bancos franceses – que se propõem prolongar os prazos de reembolso de 70% das obrigações por eles detidas – como sinónimo de incumprimento da dívida.

A agência de rating afirma que a proposta do presidente Sarkozy e dos bancos franceses, ou outras semelhantes, são “reestruturações de dívida”, razão pela qual considera o processo uma entrada em incumprimento, traduzido na incapacidade de o país pagar a dívida contraída. Para a Standard & Poor's, os projectos concebidos pelos credores para contribuir para o novo plano de resgate da Grécia "conduziriam provavelmente a uma interrupção de pagamentos segundo os nossos critérios", diz um comunicado da agência.

Além disso, a agência manifesta dúvidas sobre a capacidade da Grécia de cumprir os requisitos do FMI e da UE, e assinala esta incapacidade como um dos maiores riscos que afectam a qualidade do seu crédito.

Recorde-se que a Procuradoria Geral da República de Portugal decidiu abrir uma investigação judicial às três principais agências de rating, Moody’s, Standard & Poor’s e Fitch. O inquérito foi instaurado no dia 3 de Maio e teve como base a queixa apresentada por quatro docentes universitários, José Reis e José Manuel Pureza, da Universidade de Coimbra, e Manuel Brandão e Maria Manuela Silva, do Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG).

Os autores da queixa apontaram para a existência de graves prejuízos provocados ao Estado português pela prática daquelas agências, que acusam de manipular os mercados.

Também os supervisores da Securities and Exchange Commission dos EUA – SEC (Comissão do Mercado de Valores dos EUA) estão a avaliar as opções para atacar com êxito estas agências, em sede de tribunal, isto depois de realizada uma investigação sobre o papel que aquelas desempenharam no processo de venda de dívida atrelada a hipotecas subprime.

Reportar Erro

Caso tenha detectado algum tipo erro por favor descreva-o.