Planeta Terra Versão 2.0

Existem apenas dois erros que se podem cometer ao percorrer o caminho da verdade: não ir até ao fim, e não começar.

Gautama Buddha (563/ 623 a.C. ~ 483/ 543 a.C)

Pub

Doações

Saldo Acumulado: 0 EUR

Só é possível continuar a fazer este trabalho graças à sua generosidade.

Se considera que a informação aqui disponibilizada tem relevância para si e pretende fazer uma doação, por favor faça uma que esteja dentro das suas possibilidades financeiras.

Saiba como

Últimos Artigos

Globo
Portugal
Dinheiro
Ciência e Tecnologia
Conflitos Mundiais
Big Brother
Tirania
Fenómenos
Pub

MNE francês teme “explosão de violência” no Médio Oriente

ArtigoComentários (0)
Juppé diz que o statuo quo entre israelitas e palestinianos é “inaceitável e insustentável"

Foto: Reuters/ Stringer

O longo e tortuoso impasse no conflito israelo-palestiniano, com as partes mergulhadas numa situação “inaceitável e insustentável”, está a empurrar a região para uma “explosão de violência”, alertou hoje o ministro francês dos negócios Estrangeiros, Alain Juppé.

A participar numa conferência do centro de reflexão norte-americano Conselho para as Relações Externas, em Nova Iorque, Juppé insistiu na necessidade de “relançar o processo de paz” entre israelitas e palestinianos, numa altura em que se jogam intensas movimentações diplomáticas para evitar um confronto nas Nações Unidas, onde os palestinianos pretendem, sexta-feira próxima, propor serem reconhecidos como Estado.

Israel é fortemente hostil a esta acção, que descreve como “unilateral, e os Estados Unidos já manifestaram claramente não a aceitar e estarem prontos a vetar tal proposta se esta chegar ao Conselho de Segurança.

Juppé revelou que vai reunir-se ainda hoje com o presidente da Autoridade Palestiniana, Mahmoud Abbas, o qual chegou na noite passada a Nova Iorque para participar na Assembleia geral anual das Nações Unidas, que arranca dentro de dois dias. “Vou perguntar-lhe qual é a estratégia dele. Ir ao Conselho de Segurança, e depois? Temos que evitar um conflito, temos que encontrar uma solução equilibrada. E temos apenas três ou quatro dias para a encontrar”, afirmou.

O chefe da diplomacia francesa aproveitou também esta conferência para denunciar o que qualificou como “silêncio inaceitável” do Conselho de Segurança das Nações Unidas em face dos “crimes contra a humanidade” cometidos pelas autoridades sírias na repressão de um movimento de revolta que se arrasta há já seis meses, com um saldo estimado de mais de 2600 vítimas mortais.

Reportar Erro

Caso tenha detectado algum tipo erro por favor descreva-o.