Planeta Terra Versão 2.0

A certeza absoluta é um privilégio das mentes não-educadas e dos fanáticos

Cassius Keyser (1862 ~ 1947)

Pub

Doações

Saldo Acumulado: 0 EUR

Só é possível continuar a fazer este trabalho graças à sua generosidade.

Se considera que a informação aqui disponibilizada tem relevância para si e pretende fazer uma doação, por favor faça uma que esteja dentro das suas possibilidades financeiras.

Saiba como

Últimos Artigos

Globo
Portugal
Dinheiro
Ciência e Tecnologia
Conflitos Mundiais
Big Brother
Tirania
Fenómenos
Pub

Marinha israelita intercepta iate francês com destino a Gaza

ArtigoComentários (0)
Marinha israelita escoltou o Dignité- Al Karama até ao porto de Ashdod (Ronen Zvulun/Reuters)

A Marinha israelita interceptou o iate francês Dignité al-Karama, que tentava chegar à Faixa de Gaza, numa acção que as autoridades do Estado hebraico garantiram ter decorrido de forma "rápida e sem incidentes".

O Dignité al-Karama, que levava a bordo activistas pró-palestinianos, era a última embarcação de uma flotilha que pretendia chegar à Faixa de Gaza – nove ficaram pelo caminho, por problemas técnicos ou falta de autorização das autoridades gregas para saírem do porto.

O Dignité-al Karama seguiu, no entanto, viagem até ter sido, ontem, interceptado pela Marinha israelita, numa acção que os comandos garantem ter decorrido de modo rápido e sem incidentes – ao contrário do que aconteceu com o Mavi Marmara, um dos navios de uma flotilha que partiu da Turquia no ano passado e cuja acção millitar israelita terminou com nove mortos, num incidente que continua a envenenar as relações entre o Estado hebraico e a Turquia.

Ainda hoje, o primeiro-ministro turco, o recentemente reeleito Recep Tayyip Erdogan, afirmou que iria visitar a Faixa de Gaza, liderada pelos islamistas do Hamas, numa acção potencialmente irritante para Israel, enquanto a imprensa de Telavive antecipava possíveis desculpas do Estado hebraico à Turquia pelo incidente.

Mas a acção miltiar de hoje parece ter decorrido de modo diferente: as autoridades israelitas dizem ter passado cinco horas em comunicação com o Dignité-al Karama antes de o interceptarem, e descrevem que os elementos que seguiam no navio receberam água e alimentos à chegada a Ashdod, onde tiveram depois de decidir por uma repatriação imediata ou por uma apresentação a um juiz. Aí, seriam acusados de entrada ilegal em Israel o que implicará a proibição de entrada no Estado hebraico durante um período de até dez anos. Entre os activistas a bordo estavam dois de origem israelita: Dror Feiler, activista da organização Judeus Europeus para uma Paz Justa, e Amira Hass, jornalista do diário "Ha’aretz".

A viagem desta nova flotilha pretendia chamar a atenção para o bloqueio israelita à Faixa de Gaza, um bloqueio aliviado depois do coro de condenações internacionais à operação militar israelita contra o Mavi Marmara no ano passado. Entretanto, o Egipto abriu a sua fronteira com a Faixa de Gaza, aliviando o isolamento do território palestiniano, mas os activistas dizem que o bloqueio israelita é ilegal. Israel argumenta que é necessário para evitar a passagem de armas e enfraquecer o Hamas.

Rótulos deste artigo

Reportar Erro

Caso tenha detectado algum tipo erro por favor descreva-o.