Planeta Terra Versão 2.0

Ninguém é mais escravo do que aquele que falsamente se acredita livre.

Johann Wolfgang Goethe (1749 ~ 1832)

Pub

Doações

Saldo Acumulado: 0 EUR

Só é possível continuar a fazer este trabalho graças à sua generosidade.

Se considera que a informação aqui disponibilizada tem relevância para si e pretende fazer uma doação, por favor faça uma que esteja dentro das suas possibilidades financeiras.

Saiba como

Últimos Artigos

Globo
Portugal
Dinheiro
Ciência e Tecnologia
Conflitos Mundiais
Big Brother
Tirania
Fenómenos
Pub

«Eu até esquartejaria os Árabes», diz militar do IDF

ArtigoComentários (0)

A ex-soldado isrealita, que causou alvoroço a nível internacional por afixar imagens do Facebook a posar com prisioneiros palestinos, disse que «mataria alegremente árabes, e até os esquartejaria».

Eden Abergil, a ex-soldado isrealita, em defesa das fotos controversas que publicou no Facebook disse que "Na guerra não há regras", citou-a o jornal isrealita Haaretz, esta Quinta-feira.

Em resposta a um comentário afixado no Facebook onde se lia «Por causa de uma imagem tão simples e inocente arruinaram a vida desta rapariga e fizeram dela algo que ela não é» Eden Abergil respondeu: «Não querida, não arruinaram a minha vida. Eu não me posso dar ao luxo que amantes de Árabes arruinem a vida perfeita que levo!!! Não lamento e não me arrependo!».

A ex-soldado tornou-se foco da indignação internacional quando, quando as fotogafias -  de um album intitulado "IDF - Os melhores anos da minha vida" -  onde ela aparecia a sorrir junto de palestinos vendados e algemados, foram publicadas num blog e posteriormente nos meios de comunicação internacional.

Abergil referiu ainda, durante uma entrevista na Terça-feira na Army Radio, que continua «sem perceber qual é que é o problema».

Na Segunda-feira, o chefe do Comité Público Contra a Tortura, Ishai Menuchin, referiu que «estas fotografias terríveis reflectem a norma na forma através da qual os palestinos são vistos; como objectos e não como humanos. É uma atitude que ignora os seus sentimentos enquanto humanos e os seus direitos individuais».

Cerca de 7.000 palestinos, dos quais mulheres e crianças, estão actualmente detidos nos centros de detenção isrelaitas, supostamente a sofrer sob condições severas e com a vida em risco.

Reportar Erro

Caso tenha detectado algum tipo erro por favor descreva-o.