Planeta Terra Versão 2.0

A felicidade é quando o que pensas, o que dizes e o que fazes estão em harmonia.

Mahatma Gandhi (1869 ~ 1948)

Pub

Doações

Saldo Acumulado: 0 EUR

Só é possível continuar a fazer este trabalho graças à sua generosidade.

Se considera que a informação aqui disponibilizada tem relevância para si e pretende fazer uma doação, por favor faça uma que esteja dentro das suas possibilidades financeiras.

Saiba como

Últimos Artigos

Globo
Portugal
Dinheiro
Ciência e Tecnologia
Conflitos Mundiais
Big Brother
Tirania
Fenómenos
Pub

Construção nos colunatos recomeça

ArtigoComentários (0)

O ministro dos Negócios Estrangeiros israelita, Avigdor Lieberman, está a pressionar o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu para recomeçar a construção nos colunatos, uma posição que poderá prejudicar os negociações de paz iniciadas na semana passada.

Em Novembro do ano passado, sob pressão dos Estados Unidos, o primeiro-ministro israelita concordou em abrandar o ritmo de construção por dez meses, até 26 de Setembro.

Lieberman pertence ao partido político que está coligado no governo com o de Netanyahu, e que não concorda com o abrandamento da construção. Com uma posição-chave no parlamento, onde detém 15 lugares, o partido de Lieberman tem capacidade para forçar Netanyahu a ceder, o que pode provocar um revés nas recentes conversações de paz com a Autoridade Palestiniana.

Falando à Rádio Israel o ministro dos negócios estrangeiros israelita declarou, referindo-se a Netanyahu, «uma promessa é uma promessa. Não vamos concordar com qualquer extensão» do prazo.

Os palestinianos já fizeram saber que se a construção dos colunatos voltarem a aumentar, abandonarão as conversações de paz. Por outro lado, caso o primeiro-ministro israelita decida prolongar o prazo, o mais provável é que seja provocada uma crise política e que o governo caia. Benjamin Netanyahu está assim entre a espada parede.

Tanto os palestinianos como a comunidade internacional consideram que a construção de colunatos é um dos principais obstáculos à paz, porque diminui o território palestiniano, aumentando o descontentamento e a violência.

Fonte: Sol

Reportar Erro

Caso tenha detectado algum tipo erro por favor descreva-o.