Planeta Terra Versão 2.0

As grandes massas do povo tornar-se-ão mais facilmente vítimas de uma grande mentira do que de uma pequena.

Adolf Hitler (1889 ~ 1945)

Pub

Doações

Saldo Acumulado: 0 EUR

Só é possível continuar a fazer este trabalho graças à sua generosidade.

Se considera que a informação aqui disponibilizada tem relevância para si e pretende fazer uma doação, por favor faça uma que esteja dentro das suas possibilidades financeiras.

Saiba como

Últimos Artigos

Globo
Portugal
Dinheiro
Ciência e Tecnologia
Conflitos Mundiais
Big Brother
Tirania
Fenómenos
Pub

Colonatos israelitas provocam primeiro veto da Administração Obama na ONU

ArtigoComentários (0)
Manifestantes pedem resolução contra colonatos em Biliin, na Cisjordânia

Foto: Reuters/ Darren Whiteside

Entre a espada e a parede, os Estados Unidos foram ontem obrigados a tomar posição sobre um texto que considerava "ilegais" os colonatos israelitas em território ocupado. E a posição foi vetar a proposta: o primeiro veto no Conselho de Segurança (CS) da ONU da Administração do Presidente Obama.

Segundo a agência Reuters, todos os outros 14 membros do CS votaram a favor da proposta.

Os palestinianos decidiram forçar a votação,apesar de os EUA lhes terem "implorado" (a palavra é do diário hebraico Ha"aretz) que não o fizessem. O último veto norte-americano no CS datava de Novembro de 2006, quando o então embaixador John Bolton barrou uma proposta que condenava um ataque israelita à Faixa de Gaza, no Verão desse ano.

O texto ontem discutido continha passagens de críticas aos colonatos praticamente tiradas de discursos de responsáveis americanos. Mas, apesar de terem criticado a colonização israelita, os EUA nunca chegaram a usar a palavra "ilegal" para a classificar, sublinha o diário "New York Times".

A Administração tinha pressionado os palestinianos para aceitarem discutir apenas uma declaração, menos forte do que uma resolução (e não vinculativa), que pediria ainda o recomeço das negociações entre israelitas e palestinianos. Teria sido ainda prometido o envio de uma missão de investigação aos colonatos. Houve telefonemas a Mahmoud Abbas, primeiro do próprio Presidente Obama, depois da secretária de Estado, Hillary Clinton.

Abbas tinha-se reunido ontem com a comissão executiva da Organização de Libertação da Palestina (OLP), onde foi decidido apresentar a resolução através dos Estados árabes. "A decisão foi tomada, apesar de pressão americana", comentou um membro do organismo à agência Reuters.

Quando começou a ser discutida a apresentação deste texto no Conselho de Segurança, já em Janeiro, os EUA tinham sugerido que a resolução não traria vantagens para o processo de paz, e este foi o argumento ontem repetido para justificar o veto.

Mas depois do falhanço norte-americano em conseguir um novo congelamento da colonização (que era o pré-requisito da Autoridade Palestiniana para continuar a negociar directamente com o Estado hebraico) e depois das revelações de grandes concessões palestinianas em anteriores negociações (que os responsáveis israelitas recusaram), o processo de paz é agora considerado morto e enterrado.

A linha de actuação da Autoridade Palestiniana tem-se focado antes em fortalecer instituições, e os seus responsáveis ameaçam declarar unilateralmente um Estado ainda este ano.

Um outro responsável palestiniano comentou à Reuters que, se Mahmoud Abbas decidisse retirar esta resolução, estaria a arriscar "uma catástrofe política". "As pessoas iriam para a rua e derrubariam o presidente", comentou, lembrando a onda de protestos na Tunísia e Egipto.

Fonte: Público

Reportar Erro

Caso tenha detectado algum tipo erro por favor descreva-o.