Planeta Terra Versão 2.0

Quando um verdadeiro génio surge no mundo, pode conhecê-lo por este sinal, que todos os burros estão todos em confederação contra ele.

Jonathan Swift (1667 ~ 1745)

Pub

Doações

Saldo Acumulado: 0 EUR

Só é possível continuar a fazer este trabalho graças à sua generosidade.

Se considera que a informação aqui disponibilizada tem relevância para si e pretende fazer uma doação, por favor faça uma que esteja dentro das suas possibilidades financeiras.

Saiba como

Últimos Artigos

Globo
Portugal
Dinheiro
Ciência e Tecnologia
Conflitos Mundiais
Big Brother
Tirania
Fenómenos
Pub

Gatos fluorescentes resistentes ao vírus da SIDA

ArtigoComentários (0)
Gatos resistentes à infecção pelo vírus da SIDA

Foto: Reuters/ Ho

Um estudo concluiu que os gatos fluorescentes são resistentes à infecção pelo vírus da SIDA. A nova raça destes felinos, criada em laboratório, tem um genoma que os torna imunes à infecção pelo vírus que todos os anos provoca a morte a milhões de gatos.

Cientistas norte-americanos criaram, em laboratório, uma espécie de gatos, fluorescentes, resistentes ao Vírus da Imunodeficiência Felina (VIF), que todos os anos causa a morte a milhões de felinos e é responsável pela pandemia de SIDA que afecta os gatos domésticos.

Eric Poeschla, biólogo molecular da Clínica Mayo, nos EUA, e director do estudo, referiu em comunicado, que "uma das grandes vantagens desta investigação é que pretende melhorar tanto a saúde humana como a felina".

As semelhanças entre o VIF e o VIH-1, o vírus que desenvolve a SIDA no ser humano, incentivou a equipa de Poeschla a criar um modelo de estudo nos gatos, mediante a alteração do seu genoma. Segundo o diário espanhol "El Mundo", o método consiste na introdução de um gene no ADN do animal, utilizando um vírus como veículo.

Os investigadores recolheram óvulos destes animais e injectaram dois genes: um, que os tornaria fluorescentes, e que serviria de prova de que o outro gene, aquele que realmente interessa aos investigadores, se teria integrado correctamente no genoma. Este segundo gene, o TRIMCyp, provém do macaco e protegeria os gatos do VIF.

A experiência nos óvulos dos felinos criou três embriões que, posteriormente, originaram três gatos transgénicos, que brilham no escuro. Nas conclusões apresentadas, os investigadores referem que as células dos novos gatos, além de não contraírem o VIF, transmitiam a resistência ao vírus aos seus descendentes.

Em comunicado, os autores do estudo referem que a investigação poderia revelar-se útil para "entender como os factores de restrição [as proteínas que lutam contra a infecção] podem ser utilizadas para melhorar as terapias contra a SIDA".

Rótulos deste artigo

Reportar Erro

Caso tenha detectado algum tipo erro por favor descreva-o.