Planeta Terra Versão 2.0

A felicidade é quando o que pensas, o que dizes e o que fazes estão em harmonia.

Mahatma Gandhi (1869 ~ 1948)

Pub

Doações

Saldo Acumulado: 0 EUR

Só é possível continuar a fazer este trabalho graças à sua generosidade.

Se considera que a informação aqui disponibilizada tem relevância para si e pretende fazer uma doação, por favor faça uma que esteja dentro das suas possibilidades financeiras.

Saiba como

Últimos Artigos

Globo
Portugal
Dinheiro
Ciência e Tecnologia
Conflitos Mundiais
Big Brother
Tirania
Fenómenos
Pub

Facebook processado por «vigiar» utilizadores

ArtigoComentários (0)

A rede social Facebook foi processada por uma utilizadora que acusa o site de vigiar o que os membros fazem, mesmo quando encerraram a sessão da conta.

A queixa foi apresentada pela norte-americana Brooke Rutledge num tribunal do estado do Mississipi, onde acusa a rede social de monitorizar o seu comportamento na Internet, mesmo quando fez logout da sessão.

O caso remete para uma investigação divulgada há algumas semanas pelo blogger australiano Nik Cubrilovic, que descobriu que os cookies do Facebook conseguiam monitorizar a navegação dos utilizadores do site, incluindo depois de encerrarem a sessão, quando estes visitavam outras páginas onde se encontrasse o botão «Gosto».

No processo apresentado por Brooke Rutledge, a norte-americana acusa a rede social de violar a legislação federal de vigilância electrónica, ao conseguir monitorizar o seu comportamento online quando não está ligada ao site.

No mesmo processo, que pretende ser em nome de múltiplos membros da rede social, a utilizadora do Facebook acusa ainda a rede social de Mark Zuckerberg de «quebra de contrato, enriquecimento injusto e invasão de privacidade», avança o portal The Register.

Segundo o processo, citado pelo portal, «até ao passado dia 23 de Setembro de 2011 o Facebook monitorizou, recolheu e guardou as comunicações electrónicas dos utilizadores, incluindo, mas não limitando, partes do histórico do browser, mesmo quando os utilizadores não estavam ligados ao Facebook».

No caso concreto de Brooke Rutledge, o processo argumenta que «a queixosa não deu o consentimento ou autorizou de qualquer forma o Facebook a interceptar, monitorizar, recolher ou guardar as suas comunicações electrónicas, incluindo, mas não limitando, ao seu histórico do browser quando não estava ligada ao Facebook».

Rótulos deste artigo

Reportar Erro

Caso tenha detectado algum tipo erro por favor descreva-o.