Planeta Terra Versão 2.0

Não é nenhuma medida de saúde estar bem ajustado a uma sociedade profundamente doente.

Jiddu Krishnamurti (1885 ~ 1986)

Pub

Doações

Saldo Acumulado: 0 EUR

Só é possível continuar a fazer este trabalho graças à sua generosidade.

Se considera que a informação aqui disponibilizada tem relevância para si e pretende fazer uma doação, por favor faça uma que esteja dentro das suas possibilidades financeiras.

Saiba como

Últimos Artigos

Globo
Portugal
Dinheiro
Ciência e Tecnologia
Conflitos Mundiais
Big Brother
Tirania
Fenómenos
Pub

CIA anda a espiar Twitter e Facebook

ArtigoComentários (0)

Os serviços secretos norte-americanos controlam diariamente cinco milhões de mensagens enviadas através do serviço de microbloging Twitter. Mas há mais. A rede social Facebook, sites noticiosos e de canais de televisão, estações de rádio e salas de conversação em tempo real (chat rooms) também estão na mira da CIA.

A notícia foi hoje avançada pela agência de notícias norte-americana Associated Press, que, pela primeira vez, visitou as instalações fabris na Virgínia, EUA, que servem de quartel-general aos ciberespiões da CIA.

A informação que recolhem online é posteriormente cruzada com outros dados obtidos, por exemplo, através de escutas telefónicas, com o objetivo de caracterizar o ambiente em determinadas regiões. Foi o que aconteceu nos dias que se seguiram à morte de Osama Bin Laden, abatido numa operação dos SEAL.


Bibliotecários poliglotas
As recentes revoluções no mundo árabe também foram acompanhadas a par e passo pelo Open Source Centre, assim se chama o big brother da CIA, e os responsáveis por esta estrutura até garantiram à AP que conseguiram prever a revolução egípcia.

Criada na sequência dos ataques do 11 de setembro, o Open Source Centre tem como principal missão o contraterrorismo, mas as centenas de analistas de informação que aqui trabalham (o número exato é confidencial) também monitorizam, por exemplo, os internautas chineses.

Os mestres em Ciências da Documentação e Informação que falem diversas línguas estrangeiras têm mais hipóteses de se tornarem ciberespiões, explicou à AP o diretor do Open Source Centre, Doug Naquin.

Reportar Erro

Caso tenha detectado algum tipo erro por favor descreva-o.